sábado, 25 de junho de 2016

Decoração: ideias para o uso da chita

Na minha última viagem a Minas Gerais, encontrei no Mercado Central de Belo Horizonte uma banquinha recheada de chitas. Passei a guardar referências depois que comprei a minha por lá, com intuito de usar na decoração da minha casa. É divertido descobrir as diferentes ideias que as pessoas têm para usá-la. Neste post vou mostrar algumas para gente se inspirar. 

Banca da Tradicional Cuscuz Paulista no Mercado Manual (MCB, São Paulo)
Banca da Tradicional Cuscuz Paulista no Mercado Manual (MCB, São Paulo). 

Uma das razões do meu encantamento pela chita é o colorido marcante de suas estampas que não passa despercebido no ambiente. Fui pesquisar melhor a história que envolve esse tecido antigo e descobri que sua origem é indiana e sua criação se deu no início do século XVII. Por meio das rotas de comércio da época, a chita foi parar na Europa pelas mãos dos portugueses e holandeses. Foi super bem aceita em Portugal, passando a ser fabricada por lá também no século seguinte. 

Aqui no Brasil, foi também pelos portugueses que a chita passou a fazer parte do nosso cotidiano doméstico. No Rio de Janeiro, no início do século XIX, uma região acabou ficando conhecida como Bairro da Fábrica das Chitas, devido à indústria de estamparia instalada no local. Até os dias atuais, a chita, também chamada de chitão, está firme e forte entre nós e é facilmente reconhecida por conta das estampas de flores em tons sempre fortes. 

A versatilidade da chita e a criatividade que ela desperta nas pessoas é algo único. É possível encontrar esse tecido aplicado em muitas superfícies diferentes, desde paredes até móveis. Também surge como cortina, toalha de mesa, em cadeiras e poltronas, almofadas, etc. Definitivamente, não há limites para a chita no mundo da decoração. Aqui no blog, há uns anos atrás, ela apareceu no post sobre a loja Doce da Roça. Veja algumas ideias bem bacanas que encontrei: 

Cortinas do restaurante D'Boa mexicano (Santos,SP) e almofada do piquenique da Thais Farage.
Cortinas do restaurante D'Boa mexicano (Santos,SP) e almofada do piquenique da Thais Farage. 

Luminária e móvel do restaurante mexicano Muchachela (Santos, SP)
Luminária e móvel do restaurante mexicano Muchachela (Santos, SP)

Vasinhos da Isabel Pariz e caderno da Xodó Papelaria.
Vasinhos da Isabel Pariz e caderno da Xodó Papelaria.

Banquinho São João e Fruteira Mundau de Rona Silva
Banquinho São João e Fruteira Mundau de Rona Silva. 

Ainda não decidi como vou usar a chita que comprei no Mercado Central de BH, mas estou bem propensa a fazer uma almofada, criar uma capa de caderno ou decorar uma latinha. As ideias são muito boas e dá vontade de executar todas. Ainda vou manter o suspense de qual estampa comprei, mas assim que resolver o que fazer, compartilho aqui no blog o meu novo item decorativo de chita! 

*Para o post utilizei o livro da designer de interiores Maria Lucia Machado, "Interiores no Brasil: Influência Portuguesa no Espaço Doméstico".

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Mercado Manual: 5 marcas nacionais de produtos para casa

No final de abril visitei a segunda edição do Mercado Manual realizado no Museu da Casa Brasileira em São Paulo. Vi váras marcas bacanas, que produzem de maneira artesanal, com matéria-prima e mão de obra nacional. Algumas eu passei a acompanhar nas redes sociais para entender melhor como se dão o processo de criação, produção e venda. Neste post compartilho cinco marcas de produtos para casa que conheci nesse evento e adorei!

Alguns profissionais eu já conhecia da Feira Rosenbaum, como a Helô Galvão e suas porcelanas super delicadas e a Val Grywacs com suas luminárias coloridas de cerâmica. Outras marcas que acompanhava pela internet pude conhecer ao vivo no MCB, como a Okan, que produz roupas com tecidos africanos e A Figurinista e seus adereços super diferentes.

Falando do evento em si, a proposta de fazer no Museu da Casa Brasileira é uma ótima escolha. O MCB é um espaço muito agradável, com uma área aberta cheia de verde e de tamanho ótimo. Os expositores estavam espalhados e a circulação era bem tranquila. Durante o período de vendas, que aconteceu em dois dias, houve também oficinas e atrações artísticas.

Santo Sabão - Mercado Manual - Museu da Casa Brasileira
Santo Sabão.

Santo Sabão: marca criada pela arquiteta Beth Bacchini que produz sabão à moda antiga, tudo artesanal, 100% natural, com espuma biodegradável. Segundo seu lema, “o verdadeiro sabão natural é básico, minimalista, simples”. Precisa de mais? Eu comprei o aromatizador de ambientes de capim limão e fico mais feliz e relaxada toda vez que borrifo antes de dormir. Acompanhando pelas redes sociais fiquei sabendo que a criadora dá cursos em seu ateliê localizado no centro de São Paulo.

Il Casalingo - Mercado Manual - Museu da Casa Brasileira
Il Casalingo.

Il Casalingo: marca criada pelas amigas Joanna Naracci e Larissa Saraval que produz artigos para casa super descolados, elaborados por elas e feitos artesanalmente. Eu comprei um pano de prato xadrez 100% algodão, com um detalhe muito interessante, uma alcinha para pendurar onde quiser, facilita muito no dia-a-dia. Outros itens que vi por lá e gostei foram a tábua de corte, guardanapos e um kit piquenique lindinho. 

Bambola - Mercado Manual - Museu da Casa Brasileira
Bambola.

Bambola: marca criada pela artista plástica Paula Juchen que desenvolve objetos cerâmicos para decoração e para utilizar no dia-a-dia. Amei o colorido das peças com ilustrações inusitadas que chamam a nossa atenção de longe e fazem uma super diferença no ambiente. Olhando o site da artista descobri outros trabalhos legais, produtos exclusivos que ela desenvolveu para empresas nacionais e estrangeiras.

Fora de Série - Mercado Manual - Museu da Casa Brasileira
Fora de Série.

Fora de Série: marca criada pela artista Mônica Schoenacker que produz objetos serigrafados com mensagens de sua autoria. A sua arte aparece em panos de prato, gravuras, luminárias e até em flanelas. Serigrafias feitas manualmente por Mônica e eventualmente com a ajuda de colaboradores. Gostei muito das luminárias de casinha e dos panos de pratos divertidos. 

Gandaiá

Fotos: Mercado Manual - MCB / São Paulo - SP (acervo pessoal)

Gandaiá: marca criada pela Cássia Tischler e Lucia Forghieri com brinquedos incríveis que esbanjam design. Podem ser usados só na decoração, mas o legal mesmo é soltar a criatividade com a criançada. Uma das coleções chamada “bicharada” é constituída de pecinhas que podem ser empilhadas ou podem ser usadas para contar uma história divertida para os pequenos, segundo a própria marca. 

Para finalizar o passeio tomei um delicioso suco de hibisco na tenda da SSimplesmente, marca de alimentos saudáveis e preocupada com a sustentatibilidade, tanto que o suco era vendido em um potinho de vidro que já reutilizei. Provei também um chocolate com embiriba, sementes aromáticas do Cerrado, da marca Raros, que produz no conceito “From Bean to Bar”, ou seja, cuida da seleção do cacau até a produção da barra de chocolate. 

Veja mais fotos do Mercado Manual no meu instagram @carina_pe e na minha fanpage no Facebook. É só clicar nos links em laranja

Kindle Amazon

Addthis

Pin It button on image hover